sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Ah se hipocrisia matasse...

Por Carlos Chagas

Lendo alguns artigos na net percebi uma enorme repercussão em Sergipe após um pastor se envolver sexualmente com uma fiel da igreja. O pastor, além de se envolver com a fiel ainda preferiu gravar um vídeo pornográfico dele com a mulher e depois postá-lo em um site pornográfico achando que nenhum fiel cristão iria lá assistir.

Pois bem. Lendo a matéria no Genizah (para lê-la clique aqui) percebi que muitos, além de chocados com a atitude do pastor ainda mais chocados se tornaram quando perceberam a mensagem do site "O vídeo da performance sexual do pastor visto pela congregação está AQUI." Muitos foram os que condenaram o site por divulgar a pornografia não sabendo que o link se referia à reportagem local sobre o assunto e que o mesmo servia de teste do site para ver quantos clicariam no link e quantos não clicariam e ainda sim, criticariam o site por sua suposta divulgação pornográfica.

Várias coisas me chamaram a atenção. Primeiro o fato de muitos criticarem o acesso ao vídeo pornográfico pelo Genizah, que é um site cristão, e que não divulgou o vídeo, e sim, testou a máscara de muitos. Achei uma sacada legal porque muitos preferiram criticar algo que "supostamente" se passa como erro e que deveria ser melhor pesquisado para a crítica ficar mais bem fundamentada.

A segunda coisa que eu achei muito interessante é que o pastor que se filmou "transando" com a fiel achou que colocando o vídeo em site pornográfico não seria flagrado por um crente porque sites pornográficos não são acessados pelos mesmos. Pois em menos de 24 horas todos da igreja já estavam sabendo. Como? Será que alguém assistiu? (risos).

Agora fico a pensar: Quem é mais errado? O pastor que pagou o motel e filmou a "parada", ou a fiel que cedeu o momento de alegria, ou o povo que assistiu ao vídeo, fingiu que não o fez e não tem tal costume com sites pornográficos e ainda "pagam" de santos? Ou será que é o Genizah que quis tratar das máscaras evangélicas e a hipocrisia de nosso meio e que na verdade só conseguiu ser condenado pelo suposto link (que está quebrado!) e se tornar mais culpado que todos nós (contando com os pecadores ativos do assunto)?

6 comentários:

  1. É... estou aqui pensativa, abismada, sem saber o que dizer!

    Infelizmente, tá todo mundo errado aí... eu condenaria tal atitude das mesma forma se fossem pessoas da minha religião envolvidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandra Pires3 de abril de 2013 15:37

      Meu Deus! Não sei nem o que dizer. Que Deus tenha misericórdia de nós...

      Excluir
  2. Otário é quem acredita representante de Deus na terra, em homem santo, mulher santa, irmão santo, irmã santa, mas em quatro paredes muitas paixões carnais e luxúria. Já frequentei estes ambientes, que de santo não tem, inclusive a AD. As pessoas vive de falsa santidade. Hoje percebo que religião serve pra controlar, atrasar, divide as pessoas, sem falar de outros interesses que não citarei. Precisamos de mais escolas e menos igrejas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se diria assim desse jeito que você disse. Não chamaria de otário quem acredita e luta por algo melhor. Mas chamar quem usa de maldade para enganar estes tipos de pessoas talvez! Religião não serve para controlar pessoas mas é usada por muitos como forma de controle e manipulação para serem extorquidas ou coisa do tipo. Assim como se usa a religião para o controle assim também o é na ciência. Em suma: O homem é que é mal e não as demais coisas.

      Excluir
  3. Existe o pecado, o pecadinho e o pecadão, só que todos esqueceram que uma semente plantada, pode ser uma arvore, não são as pedras grandes que a gente ve que nos derruba sim as pequenas, que rolam sob nossos pés e nem percebemos que elas existem, pecado é pecado não precisa ser grande pra nos fazer perder a salvação, basta ser não confesso...

    ResponderExcluir

Não esqueça de comentar esta postagem. Sua opinião é muito importante!